Colmeia

Espaço arejado e limpo, onda a baixaria não entra
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Ilustres

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Fantômas

avatar

Mensagens : 5780
Data de inscrição : 12/09/2008

MensagemAssunto: Ilustres   Sab Fev 13, 2010 6:32 pm

.
O ministro que cozinha para os amigos

por FRANCISCO MANGA
SHoje


Um défice excessivo "é antidemocrático", dizia Teixeira dos Santos quando era secretário de Estado no Governo de António Guterres. Sócrates tornou-o no superministro, que sabe carpinteirar" e não morre de amores por sol e praia.

Gosta de cozinhar pa-ra os amigos, "tem jeito" para a fotografia e uma "capacidade enorme" de gerir o tempo. Aprecia uma boa história, "troca anedotas, mesmo quando é visado nelas". António Guterres convidou-o para secretário de Estado do Tesouro; anos depois, José Sócrates promoveu-o a superministro. Pode falhar nas contas ou nas previsões, admite, mas não anda aqui a enganar.

Quando o primeiro-ministro António Guterres, em 1995, o convidou para secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Fernando Teixeira dos Santos tinha 44 anos. Braço-direito do ministro Sousa Franco, tratou do programa das privatizações, que defendida sem a mínima hesitação. O Banco de Fomento Exterior, a Tabaqueira e Cimpor foram das grandes empresas que, nessa altura, deixaram de pertencer ao Estado.

A próxima grande privatização - dizia Teixeira dos Santos - seria a TAP. O decidido secretário de Estado apoiava a extinção das empresas públicas, na situação de "sorvedouros" de dinheiro, se não houvesse razão económico-social para justificar a sua manutenção.

Com as privatizações, entra dinheiro fresco. E o primeiro-ministro socialista elogia o trabalho do futuro presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. É "o nosso Alves dos Reis", referia (no bom sentido, claro) Guterres, ao ver a facilidade com que o secretário do Tesouro reforçava os cofres do Estado.

Fernando Teixeira do Santos nasceu em 1951, na Maia. Concluiu os estudos secundários no Rodrigues de Freitas, o liceu portuense de futuros ministros. Nesta escola - recuperada pelo Governo de Sócrates - estudaram, entre outros, Augusto Santos Silva e António Pinto Ribeiro (responsável pela pasta da Cultura no anterior Executivo). Francisco Sá Carneiro, fundador do PSD e antigo primeiro-ministro, também foi ali alu-no, e Óscar Lopes professor - antes da ditadura o afastar do ensino público.

Depois do Rodrigues de Freitas, a licenciatura em Economia pela Universidade do Porto e o doutoramento na Universidade da Carolina do Sul (EUA). Dos tempos da Universidade do Porto, onde foi depois docente, fica a licenciatura e um amplo grupo de amigos. A ida para o Governo não fez Teixeira dos Santos quebrar o contacto com esta gente que admira a simplicidade e a apurada arte na cozinha do ministro.

"Tem uma capacidade invulgar de gerir o tempo", diz uma antiga aluna que faz parte do grupo de amigos formado na faculdade. "Qual-quer pretexto serve para nos juntamos". E "ele gosta" de estar. "No ano passado, veio ao casamento de uma filha de um amigo, não podia faltar, mas saiu a meio da festa porque estava a fazer o Orçamento de Estado".

Alberto Castro, director da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica, elogia e destaca de igual modo o poder de organização do amigo ministro. "Ele tem tempo para tudo. No meio do turbilhão em que agora vive ainda é capaz de, por exemplo, preparar fotografias ou escrever um texto para os anos dos netos."

Fotografia. Eis uma das paixões, nos tempos livres, do responsável pela pasta das Finanças. Nas festas e nos passeios do grupo, é ele que regista para a posteridade esses momentos. E, agora, trabalha as fotos no computador. "É amante da electrónica, dos computadores, de telemóveis. E sabe usar bem, muito bem", as modernas ferramentas.

Na cozinha, voltemos aos sabores, garante a antiga aluna, que prefere manter o anonimato, prepara tudo "com assinalável qualidade: faz bem as entradas, o prato e a sobremesa". Alberto Castro aprova as iguarias do amigo "folgazão" de longa data. Uma coisa só, diz, o "irrita" profundamente: a hipocrisia. "Foi por isso que disse, há dias, que pode enganar-se, não anda aqui a enganar."

O ministro das Finanças, ecléctico nos gostos musicais - aprecia rock, jazz e música clássica -, não cessa de surpreender com outras habilidades. "Tem jeito para consertar, para carpinteirar." Essa arte vem do lado do pai, "manufacturava coisas de forma notável".

Na casa de férias em Vila Nova de Cerveira - aí é vizinha do amigo e ex-ministro Daniel Bessa - pratica outro dos seus hobbies: a jardinagem. Ver o economista com uma tesoura de poda nas mãos, no seu refúgio minhoto, é uma imagem normal; raro, muito raro, é encontrá-lo na praia. "Não gosta", conta Alberto Castro. "Sol e praia não é o turismo dele."

Homem de "grande rigor e de grande sentido de Estado", asseguram os amigos mais próximos. Renato Sampaio, líder de distrital do PS do Porto, é da mesma opinião. Considera o número dois da lista do PS por círculo, nas últimas legislativas, uma personalidade "encantadora". Na vida privada, o ministro gosta de conviver: "tem grande sentido de humor, dessacraliza as questões do poder".

Em 1996, quando coordenava o programa de privatizações, Teixeira dos Santos afirmava ser "anti- democrático" manter um défice excessivo, porque "é um acto de egoísmo em relação às gerações futuras". A sua fórmula para atalhar o défice era, na altura, o corte nas despesas correntes, "mas não no investimento público".

Catorze anos volvidos, o défice continua pouco democrático. Teixeira do Santos, agora ministro do Estado e das Finanças de um Governo sem maioria absoluta, promete não se desviar do rumo traçado. Há dias, durante a crise levantada pela alteração da Lei das Finanças Locais - que o Governo contesta - , muitos pensaram que o ministro iria bater com a porta. Não o fez. Em nome do "rigor e exigência", recorrerá, de 2010 a 2013, "a todos os instrumentos legais e políticos para preservar o equilíbrio das contas públicas".

O Presidente da República, Cavaco Silva, elogiou-lhe a competência. Palavras de apoio no momento em que o ministro Teixeira dos Santos, além do défice -"do monstro" - encontrou (inesperados) inimigos além-fronteiras: as agências de rating.

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 6697
Data de inscrição : 22/08/2008

MensagemAssunto: O primeiro português nas águas da Antárctida   Sab Fev 13, 2010 10:37 pm

.
O primeiro português nas águas da Antárctida

por NYSSE ARRUDA
Hoje


O mergulhador português Miguel Lacerda cumpriu um sonho incrível ao realizar uma série de mergulhos na península antárctica.

O velejador e mergulhador português Miguel Lacerda já está a caminho de terra firme, depois de ter sido o primeiro cidadão nacional a mergulhar nas águas da península antárctica na semana passada, numa expedição inédita - Quebramar Dive Antarctica 2010 - a bordo de um navio quebra-gelo russo, o Prof. Molchanov, único capaz de operar expedições de mergulho no continente gelado, com um diver master inglês e um grupo de mergulhadores europeus, americanos e australianos.

"Acabei por fazer dez mergulhos de escafandro autónomo e vários em apneia. A missão está cumprida", disse Miguel Lacerda enquanto se encontrava a atravessar ontem o tormentoso estreito de Drake, a faixa do oceano Atlântico Sul, entre a península antárctica e o cabo Horn, na América do Sul.

"Foi a realização de um sonho da adolescência, altura em que vi na casa do Prof. Luís Saldanha os desenhos do primeiro português a ir para a Antárctida. Nessa altura , trabalhava no Aquário Vasco da Gama como taxidermista-dermoplasta. Depois, ao longo da vida foram muitos outros que me fizeram sonhar com a Antárctida - os pioneiros Amundsen e Scott na corrida para alcançar o Pólo Sul, no início do século XX, Shackleton, um dos maiores aventureiros da história da humanidade e, enfim, o navejador brasileiro Amyr Klink, o primeiro ser humano a passar um Inverno inteiro sozinho na Antártida, a bordo de um veleiro em 1989-90", contou Miguel Lacerda, que teve a oportunidade de conhecer Amyr Klink na Madeira, durante a regata comemorativa dos 500 Anos do Desco-brimento do Brasil.

O mar e as aventuras marítimas são uma constante na vida de Miguel Lacerda. O pai foi campeão nacional de caça submarina, tendo falecido em 1959 durante o Campeonato Mundial na Itália, quando Miguel ainda era quase um bebé. "Ele foi um ídolo que mal conheci, mas que sempre me fascinou. Segui as suas pisadas e iniciei--me na caça submarina, modalidade que pratiquei até 1981", relembrou o mergulhador português que agora completou o curso de Extreme Polar Dive na Antárctida.

Entre as 15 travessias oceânicas que realizou, uma circum-navegação e outras tantas rotas por outros tantos mares a bordo de veleiros maxi boats de alta competição, Miguel também mergulhou em quase todos os oceanos, nomeadamente no Pacífico, onde visitou as ilhas Galápagos.

In DN


_________________
Os amigos? Perto! Os inimigos?Colados!!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://colmeia.forumeiros.com
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 6697
Data de inscrição : 22/08/2008

MensagemAssunto: Dalai Lama   Seg Fev 15, 2010 5:19 pm

.
Dalai Lama

por JOÃO MORGADO FERNANDES


A voz que espalha a tolerância pelo mundo.

Quando há uns anos a Apple pôs em marcha uma campanha de publicidade (Think Different - Pense Diferente) fez uma acordo com o Dalai Lama para a utilização da sua imagem. "Eu sou aquilo que vocês quiserem, se tiver de ser um screensaver de computador, assim seja", foi a reacção do homem que incarna a dupla qualidade de líder político do Tibete (no exílio) e de guru do budismo à escala mundial.

O ponto de vista de Tenzin Gyatso, o 14.º Dalai Lama , é, como sempre, de uma extrema simplicidade: o que importa é divulgar a causa do Tibete e que as pessoas a encarem com simpatia.

E é isso que o guia na constante peregrinação à volta do mundo, que já o tornou na segunda figura mais conhecida, a seguir ao Papa, e numa das 100 personalidades mais influentes do planeta, no ranking de 2005 da revista Time.

Jetsun Jamphel Ngawang Lob- sang Yeshe Tenzin Gyatso, o nome que adoptou quando foi consagrado no topo da hierarquia do Tibete, há muito que perdeu as ilusões acerca da independência da sua pátria. A consagração dessa desistência foi oficializada no plano de paz que apresentou em 1987, no qual prevê o estabelecimento de uma região com algum grau de autonomia em relação a Pequim. No livro A Vida, a Morte, o Renascimento (uma espécie de auto-entrevista biográfica, editada em Portugal pela Asa), o tema é abordado de forma cristalina: "O Tibete foi independente durante séculos. Agora, já não o é. Devemos encarar as coisas de frente. Exigimos a autonomia, já não sonhamos com a independência. Mas queremos negociar na base de um respeito mútuo. As condições já não são as do passado e estamos preparados para nos inspirar nas palavras de Deng-Xiao-ping: um país, dois sistemas." Mas se Pequim tem usado esse princípio noutras regiões, parece muito reticente quanto ao Tibete, aparentemente receoso de que a autonomia baseada num princípio religioso possa conduzir, a prazo, a uma desanexação. E, é claro, devido à tensão que cultiva com a Índia.

É na índia, mais precisamente em Dharamsala, que o Dalai Lama estabeleceu um Governo no exílio, após ter abandonado o Tibete, em 1959, durante uma insurreição armada contra os chineses.

É aí, naquela que é conhecida por Pequena Lhasa, numa referência à capital do Tibete, que funciona um Parlamento e um Governo eleitos pelos tibetanos no exílio. É igualmente local de peregrinação de vedetas de Hollywood atraídas pelos princípios filosóficos expandidos pelo Dalai Lama , mas igualmente dos muitos políticos que o têm recebido à escala mundial. Das Nações Unidas, ao Vaticano, as portas têm estado permanentemente abertas a este homem que já teve a tentação de regressar, mas que sempre chega à conclusão de que é mais útil no exterior. "Embora refugiado, permaneço livre, livre de falar em nome do meu povo. No mundo livre, sou mais útil como porta-voz."

Foi também em Dharamsala que, a 6 de Julho deste ano, Tenzin Gyatso comemorou o seu 70.º aniversário, numa festa em que participaram mais de 10 mil pessoas, entre tibetanos e estrangeiros.

É com a tranquilidade que coloca em cada palavra que encara a morte. Mas sabe que, quando isso acontecer, o Tibete poderá conhecer dias de raiva. Os chineses não se cansam de repetir que têm legitimidade para escolher o seu sucessor, mesmo sabendo que, com a internacionalização da causa tibetana, ele será sempre visto como um fantoche. Uma coisa é certa, quando o 14.º Dalai Lama morrer, um grupo de monges por-se-á a caminho à procura da sua reincarnação. Na bagagem, levam alguns dos brinquedos preferidos da infância de Tenzin Gyatso na esperança de que uma criança, algures no "tecto do mundo", exclame, como todos os seus antecessores, "é meu, é meu".

In DN


_________________
Os amigos? Perto! Os inimigos?Colados!!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://colmeia.forumeiros.com
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 6697
Data de inscrição : 22/08/2008

MensagemAssunto: Rania Al-Abdullah   Ter Mar 02, 2010 1:05 pm

.
Rania Al-Abdullah

16 Março 2009


Uma mulher sensível e inteligente no trono da Jordânia

Rania Al-Abdullah nasceu no Koweit a 31 de Agosto de 1970. Filha de pais palestinianos, tornou-se rainha da Jordânia em 1999 ao casar com o então príncipe e actual Rei da Jordânia, Abdullah II. Actualmente com 38 anos, Rania formou-se em Gestão na Universidade do Cairo e tem quatro filhos: Hussein, Iman, Salma e Hashem.

O seu trabalho humanitário valeu-lhe o Prémio do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2008, que recebeu em Portugal, na Assembleia da República, a 16 de Março de 2009, juntamente com Jorge Sampaio. O Prémio Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, instituído em 1995, é entregue todos os anos a duas figuras públicas que tenham trabalhado para a protecção dos direitos humanos, a defesa do pluralismo e da democracia e o fortalecimento da parceria entre os países do Norte e do Sul.

A rainha da Jordânia considera que os maiores problemas da relação entre os países do Norte e do Sul são a falta de confiança. “Temos vivido lado a lado durante milénios e ainda sabemos tão pouco uns dos outros. A confiança é crucial para construir relações estáveis e pacíficas, é a base fundamental para a cooperação e prosperidade”.

A situação dos palestinianos é um dos problemas que mais lhe “toca o coração”. Para Raina, “o recente conflito em Gaza só veio acrescentar mais ressentimento a um conflito que já causou tanta destruição e morte. Agora, mais do que nunca, precisamos que o processo de paz retome o caminho para que não se percam ainda mais gerações no conflito”. Em relação aos direitos das mulheres árabes, considera que algo está a mudar, embora muitos países da região “ainda estejam longe da média da paridade de género”. Contudo, o seu país “tem dado grandes passos nesse sentido, com mais mulheres no mercado de trabalho, em empregos mais bem pagos, em postos governamentais e no Parlamento”. Para a rainha da Jordânia, o maior desafio que as mulheres árabes enfrentam nos dias de hoje é “mudar a mentalidade dos homens”.

Há um ano, Raina Al-Abdullah lançou um canal próprio no You Tube para discussões sobre o mundo árabe e o islão. A rainha acredita que a internet ?não só facilita e acelera o diálogo intercultural como multiplica o poder da conversação?. Uma das suas abordagens mais criativas foi um vídeo de Hanna Gargour, jordano, e Mia Rose, portuguesa, que usaram a música para criar laços de amizade entre as suas culturas. ?A sua contribuição motivou conversas entre as pessoas de diferentes raças e culturas e foi um diálogo intercultural no seu esplendor?.

In DN


_________________
Os amigos? Perto! Os inimigos?Colados!!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://colmeia.forumeiros.com
Romy

avatar

Mensagens : 5711
Data de inscrição : 23/08/2008

MensagemAssunto: Letizia Ortiz   Seg Mar 29, 2010 3:11 pm

.
Letizia Ortiz

por FERNANDO BARCIELA03


A jornalista que se tornou princesa das Astúrias.

Ao eleger Letizia Ortiz como noiva, o príncipe Felipe manteve-se fiel à sua promessa de casar por amor. A futura rainha de Espanha é uma jornalista da TVE de 31 anos, divorciada e oriunda de uma família da classe média.

Do Telejornal ao Trono.» Era assim que um meio de comunicação social europeu definia ontem a situação de conto de fadas daquela que será a futura rainha de Espanha, Letizia Ortiz Rocasolano, uma jovem espanhola de classe média, culta, bela, elegante e, sobretudo, jornalista.

Porque se Letizia demonstrou até agora algo de essencial na sua personalidade é que sempre foi, acima de qualquer outra coisa, jornalista por vocação, das que desde pequenas estavam já «condenadas» ao exercício da profissão.

A futura rainha de Espanha, que nasceu nas Astúrias em 15 de Setembro de 1972, é filha e neta de jornalistas. O seu pai, Jesus Ortiz, é um conhecido profissional asturiano que fundou e dirigiu a emissora da Antena 3 de rádio em Oviedo, e a sua avó, Menchu Álvarez del Valle, que agora está reformada e ontem se mostrava eufórica, trabalhou durante anos na Rádio Nacional de Espanha.

Letizia (que se chama assim em vez de Leticia devido a um erro do funcionário do Registo) começou bem cedo a trabalhar em meios de comunicação. Depois de realizar uma tese de doutoramento sobre o jornal mexicano Siglo XXI, iniciou-se profissionalmente no diário asturiano La Nueva España, de Oviedo, para prosseguir depois no ABC e na agência EFE.

Dai passaria à Bloomberg TV em espanhol, onde se especializaria em informação económica, carreira que depois prosseguiria na CNN e, já a partir do ano 2000, na televisão pública espanhola, a TVE. Ali foi, como se costuma dizer em Espanha, «coser y cantar» ou, o que é a mesma coisa, «chegar, ver e vencer». Ultimamente, partilhava o telediario 2 da TVE 1 (o de maior audiência) nada menos que com o director dos noticiários, Alfredo Urdaci.

Com os pés bem assentes na terra e forte convicção de que o que era é jornalista e não show woman da televisão, Letizia nunca parece ter-se deixado encantar por propostas de fazer talk-shows, programas de espectáculo ou magazines-rosa, que proporcionaram muitíssima popularidade e dinheiro a outras colegas suas.

Como se tivesse intuído que estava convocada para voos mais altos, Letizia sempre procurou manter uma imagem de chica bonita, mas nunca espampanante. Também ao contrário de outras colegas, que, assediadas pela pressão das audiências, concordaram em ampliar o seu nível de «temperatura» perante o público, Letizia insistiu em conservar um estilo algo cool, que considerava um elemento básico da sua credibilidade.

Não era, pois, e apesar de apresentar os noticiário de maior audiência, uma «famosa» da TV. Muita gente, em Espanha, quando lhe disseram que a noiva do príncipe Felipe se chamava Letizia Ortiz, perguntou Letizia quê? Mesmo assim, a futura rainha recebeu vários prémios de televisão e era muito popular entre os telespectadores masculinos (basta visitar os fóruns na Internet) de gosto mais sofisticado, que, em muitos casos, sintonizavam o telejornal da TVE só para vê-la a ela, mais que às próprias notícias.

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Fantômas

avatar

Mensagens : 5780
Data de inscrição : 12/09/2008

MensagemAssunto: Nascimento Rodrigues   Qui Abr 15, 2010 9:16 pm

.
Nascimento Rodrigues

por Lusa
12 Abril 2010


Henrique Nascimento Rodrigues, que morreu na noite de domingo, era licenciado em Direito, tendo sido eleito para provedor de Justiça pela Assembleia da República em 2000 e reeleito em 2004, após ter exercido o cargo de ministro do Trabalho.

Natural de Angola, licenciou-se em Lisboa em 1964 e fez estágio para magistrado do Ministério Público, mas ingressou na carreira técnica da função pública, no Fundo de Desenvolvimento da Mão-de-Obra, onde se dedicou às questões do Direito do Trabalho e da contratação colectiva, de acordo com a biografia publicada no site da Provedoria, onde esteve até 2009.

No início da carreira prestou assessoria jurídica a sindicatos e empresas públicas e privadas na área laboral.

Foi militante do PPD/PSD e convidado para deputado pelo circulo eleitoral de Lisboa em 1979, tendo exercido a actividade parlamentar de 1982 a 1983 e de 1987 a 91. Na legislatura 1979-80, foi presidente da Comissão Parlamentar do Trabalho.

Em 1981 foi ministro do Trabalho de Pinto Balsemão e realizou missões técnicas nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa como consultor da Organização Internacional do Trabalho.

Exerceu cargos de administração em empresas públicas e privadas e em 1992 foi eleito pelo Parlamento para presidente do recém criado Conselho Económico e Social, onde permaneceu até 1996.

Casado e pai de cinco filhos, Nascimento Rodrigues foi o primeiro português a ser eleito para a presidência da Conferência Internacional do Trabalho.

Foi consultor no Banco de Portugal e professor de Direito do Trabalho numa universidade privada, em Lisboa, tendo realizado diversos estudos sobre questões relacionadas com a problemática do trabalho e das relações industriais.

Em 2000 foi também eleito como conselheiro de Estado e recebeu a Ordem de Mérito (Grande Oficial) em 1994, a Légion d'Honneur (Officier) em 1995 e a Grã Cruz da Ordem Militar de Cristo em 2008.

Cessou funções de provedor, por renúncia ao cargo, em 03 de Junho de 2009, quase um ano depois de ter terminado o seu mandato e sem que tivesse ainda sido substituído por falta de acordo entre o PS e PS.

A primeira vez que foi eleito provedor recolheu 162 votos a favor e 46 contra e quando foi reeleito obteve 182 votos favoráveis e sete contra.

Em 1981, a agência ANOP noticiava a entrada de Nascimento Rodrigues no Governo, situando-o na ala esquerda do PSD.

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Romy

avatar

Mensagens : 5711
Data de inscrição : 23/08/2008

MensagemAssunto: Bento XVI   Dom Abr 18, 2010 11:14 am

.
'As Razões de Bento XVI' vistas por Aura Miguel

Hoje


Quem é Joseph Ratzinger, como chegou a Papa, ou quais são as suas principais preocupações como Chefe da Igreja Católica.

Neste livro, a jornalista Aura Miguel dá ainda a conhecer um Papa diferente, que gosta de ler, escrever, ouvir música e debater assuntos teológicos com outros académicos. E que, segundo os seus amigos portugueses, tem sentido de humor, é afável e atencioso. O lançamento da obra da única jornalista portuguesa com acreditação permanente no Vaticano está marcado para o dia 29, às 18.30, na Feira do Livro de Lisboa, por Marcelo Rebelo de Sousa. No dia seguinte, o livro será apresentado no Porto pelo bispo D. Manuel Clemente. O DN publica, em primeira mão, alguns excertos.

A ELEIÇÃO
O voto n.º77


Quando Bento XVI foi eleito tinha 78 anos de idade. Por duas vezes tinha tentado reformar-se e voltar para a sua casa na Baviera, onde vive o irmão, mas João Paulo II nunca aceitou os seus pedidos. O sonho de Ratzinger era acabar os dias a estudar teologia e, nos intervalos, tocar piano. Afinal, nada correu como planeado.

O conclave que elegeu Joseph Ratzinger foi dos mais rápidos.
(página 15)


A rapidez da escolha desmentiu os prognósticos de muitos sectores - incluindo meios eclesiásticos e comunicação social - de que havia uma forte resistência à eleição de Ratzinger. Aconteceu o contrário: os cardeais deram ao mundo um sinal de união ao elegerem tão depressa este Papa.

Sobre o que se passou dentro do conclave pouco se sabe, por causa do juramento que os cardeais são obrigados a fazer para manter segredo, sob pena de excomunhão. Mas alguns cardeais acabam sempre por revelar aspectos marginais à eleição.

Os lugares do conclave, na Capela Sistina, estavam distribuídos por duas filas de cada lado do altar, paralelas às paredes laterais. O primeiro lugar à esquerda, bem próximo do Juízo Final de Miguel Ângelo, era o do cardeal decano, Joseph Ratzinger. Segundo vozes «bem informadas», o número de votos alcançado por Ratzinger terá superado os de Karol Wojtyla (eleito com 99 votos no conclave de 1978). Mas, naquela tarde do dia 19 de Abril de 2005, Ratzinger só precisava de 77 votos para ser eleito. Por isso, enquanto se procedia à recontagem dos votos resultantes da quarta votação, os eleitores não esperaram que se chegasse ao fim, como testemunhou o cardeal espanhol Julián Herranz: «Quando chegámos ao voto 77, pusemo-nos de pé a aplaudir. Era uma forma de agradecer a Deus, de louvar o Espírito Santo que nos tinha levado à quantidade necessária, já na quarta votação. Nesse momento vi o cardeal Ratzinger como sempre o vi: um homem de uma grande paz e serenidade interior.»

Os cardeais permaneceram todos de pé, a aplaudir, excepto Ratzinger, como relatou o cardeal inglês Murphy O'Connor: «Estávamos de pé, mas ele continuava sentado, com a cabeça baixa. Estava a rezar.» Então, o cardeal Angelo Sodano, acompanhado pelo cardeal secretário do conclave e pelo cardeal camerlengo formularam-lhe a pergunta crucial: eminentíssimo senhor cardeal, aceita a eleição para Sumo Pontífice, canonicamente realizada?

«Ratzinger aceitou com um sim muito claro, forte e decidido. Nesse momento, sentia se na capela todo o peso que estava prestes a cair nos seus ombros. Foi um sim sem reservas, creio que estava feliz ao dá-lo, por aceitar este peso até à morte», contou o cardeal Christoph Schönborn, de Viena.
(página 15)

PREOCUPAÇÕES
A ditadura do relativismo


No alvor deste pontificado terá estado a preocupação dos cardeais com o avanço do relativismo e a escolha de alguém que conhecesse a fundo estes problemas. Analistas consideram que, em 1978, com a eleição de Karol Wojtyla, «o Conclave reagiu às ditaduras comunistas com a mensagem de que não há dignidade do homem sem liberdade», enquanto que «o Conclave de 2005 emitiu sinais de alarme contra a ditadura do relativismo: não há liberdade sem verdade».

Com efeito, a última homilia de Ratzinger antes de ser eleito Papa é uma chave de leitura fundamental para perceber este pontificado. Foi ele que, na qualidade de decano do colégio cardinalício, antes de entrarem para o conclave que o viria a eleger, presidiu à missa Pro Eligendo Romano Pontifici. E ficaram famosas as palavras que proferiu, quer sobre aquilo a que chamou «ditadura do relativismo», quer ao denunciar o risco de permanecermos com uma fé infantil, «em estado de menoridade».

Citando a carta de São Paulo aos Efésios - «como crianças, levadas ao sabor de todos os ventos de doutrina, pela malignidade dos homens e astúcia com que induzem ao erro» [cf. Ef.4, 14] - disse, então, o futuro Papa: «Quantos ventos de doutrina conhecemos nestes últimos decénios, quantas correntes ideológicas, quantas modas de pensar… A pequena barca do pensamento de muitos cristãos foi muitas vezes agitada por estas ondas, lançada de um extremo para o outro: do marxismo ao liberalismo, até à libertinagem, ao colectivismo radical; do ateísmo a um vago misticismo religioso; do agnosticismo ao sincretismo e por aí adiante.» E Ratzinger prosseguiu: «Ter uma fé clara, segundo o Credo da Igreja, é, com frequência, rotulado como fundamentalismo. Enquanto o relativismo, isto é, deixar-se levar de um lado para o outro, ao sabor de todos os ventos de doutrina, surge como a única postura adequada aos tempos de hoje. Vai-se, assim, constituindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e os seus desejos.»

Nesta homilia, o cardeal Ratzinger acrescentou ainda que «adulta não é uma fé que segue as ondas da moda nem a última novidade; adulta e madura é uma fé profundamente radicada na amizade com Cristo. É esta amizade que nos abre a tudo o que é bom e nos dá o critério para discernir entre verdadeiro e falso, entre engano e verdade».

É interessante verificar como estas preocupações são agora uma constante nos ensinamentos de Bento XVI. Foi o que aconteceu, por exemplo, na homilia de encerramento do Ano Paulino: «Não podemos mais permanecer como meninos inconstantes, levados por qualquer vento de doutrina. [?] A expressão "fé adulta", nas últimas décadas, tornou-se um slogan conhecido. Ouvimo-lo com frequência como sinónimo de quem já não dá ouvidos à Igreja nem aos seus Pastores, mas decide escolher aquilo em que quer ou não acreditar; portanto, uma fé ad hoc. E esta "fé adulta" é apresentada como "coragem" de se expressar contra o Magistério da Igreja. Ora, na realidade, para isto não é preciso ter coragem, porque se pode ter sempre a certeza de receber elogios públicos. Pelo contrário, coragem é aderir à fé da Igreja, apesar de ela contrariar o "esquema" do mundo contemporâneo. [?] Assim, faz parte da fé adulta, por exemplo, empenhar se pela inviolabilidade da vida humana desde o primeiro momento, opondo-se de forma radical ao princípio da violência, precisamente também na defesa das criaturas humanas mais indefesas. Faz parte da fé adulta reconhecer o matrimónio entre um homem e uma mulher para toda a vida, como ordenamento do Criador, restabelecido novamente por Cristo. A fé adulta não se deixa arrastar para aqui e para ali por qualquer corrente. Ela opõe-se aos ventos da moda. Sabe que estes ventos não constituem o sopro do Espírito Santo.»
(página 23)

PATOLOGIAS DO VELHO CONTINENTE
O Ocidente ferido de morte


Quando Bento XVI visitou a Baviera, em Setembro de 2006, afirmou que o Ocidente está ferido de morte. Ou seja, «sofre de patologias mortais da religião e da razão», cujas consequências só podem ser desastrosas para a humanidade. E os sintomas destas «patologias» percebem-se pela maneira como os outros nos olham.
(página 37)

Na mesma homilia, o Papa também refere o modo como os outros povos não cristãos nos olham: «As populações da África e da Ásia admiram as nossas realizações técnicas e a nossa ciência, mas ao mesmo tempo assustam-se perante um certo tipo de razão que exclui Deus da visão do homem. [?] Para eles, a verdadeira ameaça à sua identidade não está na fé cristã, mas no desprezo por Deus e no cinismo que considera um direito da liberdade ridicularizar o sagrado e que eleva a critério moral supremo o critério da utilidade.»
(página 37)

SURPRESAS E PROVOCAÇÕES
O átrio dos gentios


O cardeal alemão Walter Kasper, «especialista» no diálogo ecuménico e inter-religioso (e que, no passado, teve algumas divergências teológicas com o então prefeito para a Doutrina da Fé), explicou, no final do conclave, por que os cardeais tinham escolhido Ratzinger: «Queríamos uma pessoa firme na fé, com uma densidade intelectual profunda e com capacidade para ir explicar a nossa fé a qualquer parte do mundo.»

São prova disso o interesse com que largos sectores intelectuais e académicos seguem este pontificado e as interpelações culturais que dele resultam, nomeadamente nos sucessivos encontros que Bento XVI mantém com o mundo da cultura.

Mas o coração do Papa alarga-se e bate também por aqueles que estão fora, ou têm dúvidas sobre Deus. E esta é uma novidade deste pontificado.

Bento XVI toma a sério a nostalgia de Deus, que se encontra no coração de muitos que andam nas margens ou fora da órbita da Igreja, e quer dar-lhes um espaço. Por isso, à semelhança do Templo de Jerusalém que tinha um «átrio dos gentios» para os que não entravam no interior do templo, assim também a Igreja deveria ter um lugar para os «gentios» de hoje.
(página 45)

Bento XVI considera fundamental acolher as «pessoas que conhecem Deus, por assim dizer, só de longe; que estão insatisfeitas com os seus deuses, ritos e mitos; que desejam o Puro e o Grande, mesmo se Deus permanece para eles o Deus desconhecido [cf. Act 17, 23]. Também elas deviam poder rezar ao Deus desconhecido e assim estar em relação com o Deus verdadeiro, embora no meio de escuridão de vários géneros. Penso que a Igreja deveria também hoje abrir uma espécie de átrio dos gentios, onde os homens pudessem de qualquer modo agarrar-se a Deus, sem O conhecer e antes de terem encontrado o acesso ao seu mistério, a cujo serviço está a vida interna da Igreja».

Assim, para Ratzinger, já não basta o diálogo inter-religioso; é preciso ir ainda mais longe: «Ao diálogo com as religiões deve acrescentar-se hoje, sobretudo, o diálogo com aquelas pessoas para quem a religião é uma realidade estranha, para quem Deus é desconhecido, e contudo a sua vontade não é permanecer simplesmente sem Deus, mas aproximar-se d'Ele pelo menos como Desconhecido.»
(página 45)

O PAPA E PORTUGAL
Avisos e conselhos


Todavia, ao longo deste pontificado, no que se refere a Portugal, Bento XVI não falou apenas de Fátima. Em Novembro de 2007 os bispos portugueses foram a Roma, no cumprimento da Visita ad Limina Apostolorum - uma visita que, habitualmente de cinco em cinco anos, os bispos têm de fazer ao Sucessor de Pedro, para «lhe prestarem contas» sobre o que se passa nas suas dioceses.
(página 73)

Bento XVI disse aos bispos de Portugal que «é preciso mudar o estilo de organização da comunidade eclesial portuguesa e a mentalidade dos seus membros para se ter uma Igreja ao ritmo do Concílio Vaticano II, na qual esteja bem estabelecida a função do clero e do laicado, tendo em conta que todos somos um, desde que fomos baptizados e integrados na família dos filhos de Deus, e todos somos co-responsáveis pelo crescimento da Igreja».
(página 74)

Mas as advertências do Papa a Portugal não ficam por aqui. No discurso que proferiu aos bispos, em Novembro de 2007, Bento XVI mostra-se preocupado com o aumento dos não praticantes, sinal de que muitos cristãos portugueses não sabem dar as razões da sua fé: «À vista da maré crescente de cristãos não praticantes nas vossas dioceses, talvez valha a pena verificardes "a eficácia dos percursos de iniciação actuais, para que o cristão seja ajudado, pela acção educativa das nossas comunidades, a maturar cada vez mais até chegar a assumir na sua vida uma orientação autenticamente eucarística, de tal modo que seja capaz de dar razão da própria esperança de maneira adequada ao nosso tempo". [Exort. ap. pós-sinodal Sacramentum Caritatis, 18].»
(página 75)

RATZINGER EM PESSOA
Em regime de mosteiro


Bento XVI vive quase em regime de mosteiro. Ao contrário do Papa polaco, que gostava de receber amigos em casa (que depois, quando saíam, contavam imensas coisas…), Ratzinger é discretíssimo e pouco ou nada se sabe dele.

É conhecida a sua extraordinária pontualidade. Nos tempos em que era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, saía do seu apartamento situado na Praça Città Leonina - junto à porta Sant'Ana - e atravessava a pé a Praça de São Pedro até chegar ao seu gabinete, no antigo Palácio do Santo Ofício. Os vendedores e empregados dos quiosques da zona podiam acertar os seus relógios: o cardeal passava sempre à mesma hora; nunca falhava.
(página 85)

Simplicidade

Quanto às outras facetas de Ratzinger, os seus amigos dizem que «é muito raro perder a paciência»; que é um homem muito simples, modesto, de grande paz e serenidade interior; e que, há uns anos atrás, se ofereceu para doar os seus órgãos para transplante.

É interessante o modo como Ratzinger se define a si próprio: «Sou um cristão normal. Mas, num sentido mais lato, a fé ilumina. Ligada ao pensamento, julga-se que - para citar Heidegger - se entrevê a clareira a partir das diversas encruzilhadas da vida.»
(página 87)

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Romy

avatar

Mensagens : 5711
Data de inscrição : 23/08/2008

MensagemAssunto: Grace Kelly   Dom Abr 18, 2010 3:45 pm

.
Grace Kelly: actriz, noiva e princesa. E agora em exposição

por LINA SANTOS
Hoje


Homenagem à estrela de Hollywood e do principado do Mónaco no Victoria & Albert Museum, no Reino Unido.

Está tudo lá, na exposição "Grace Kelly: Ícone de Estilo", ontem inaugurada no Victoria and Albert Museum, em Londres: o vestido com que recebeu o Óscar de Melhor Actriz, em 1954; os modelos usados nos filmes realizados por Alfred Hitchcook; o vestido de noiva; Balenciagas, Diors e Givenchys que usou em diversas ocasiões; o esvoaçante modelo azul com que se deixou fotografar para a revista Paris Match em 1956, grávida da primeira filha, Carolina; a famosa mala da Hermès, rebaptizada Kelly em honra da sua musa; ou o colar de pérolas e diamantes que lhe foi oferecido por Rainier do Mónaco selando o compromisso entre ambos. Objectos que, juntos, revisitam a vida da diva que conquistou Hollywood e a realeza da Europa. "Uma das poucas mulheres a merecerem esta homenagem", resumiu a comissária da exposição, Jenny Lister.

Três momentos-chave da vida de Grace Kelly servem de âncora à exposição: actriz, noiva, princesa. Ou, por outras palavras, dos primeiros passos em Hollywood até ao Óscar e à retirada de cena; do primeiro encontro com Rainier ao casamento; finalmente, o visual de turbantes, óculos grandes e estampados que imortalizou nos anos 70. Jenny Lister, responsável pela área da moda do museu londrino, afirma que Grace Kelly "usou a experiência cinematográfica" para escolher um guarda- -roupa simples mas elegante.

"Tenho necessidade de coisas simples", terá dito um dia a própria princesa (falecida em 1982, com 52 anos), e o resultado da exposição agradar-lhe-ia, acredita o filho, Alberto, hoje à frente dos destinos do Mónaco. "A minha mãe gostava muito das suas roupas e ficaria feliz de as ver expostas no Victoria and Albert Museum. Ela demonstrou elegância ao longo de toda a vida, fosse nas aparições públicas mais espectaculares fosse nas reuniões familiares", afirmou, em declarações à AFP.

As peças da exposição "Grace Kelly: Ícone de Estilo" podem ser vistas até 26 de Setembro, por empréstimo do palácio do principado do Mónaco, do Museu Balenciaga e de coleccionadores privados. À margem da mesma, decorrem outros eventos relacionados com a actriz e princesa nascida em Filadélfia em 1929 (ver caixa).

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Fantômas

avatar

Mensagens : 5780
Data de inscrição : 12/09/2008

MensagemAssunto: A radiosa felicidade de uma filha da guerra   Dom Maio 23, 2010 2:49 pm

.
A radiosa felicidade de uma filha da guerra

por ABEL COELHO DE MORAIS
Hoje


Vítima quase fatal de um ataque aéreo, Kim Phuc, quando se encontrava num hospital de Saigão, no momento da maior dor e incerteza, decidiu que nunca abdicaria do seu direito à vida. Hoje, dirige uma fundação que procura proporcionar às crianças o mesmo que ela conseguiu alcançar.

Imagem-símbolo da Guerra do Vietname é a fotografia de 1972 em que uma menina corre nua, com o corpo em chamas entre outras crianças, numa estrada nos arredores de Saigão. A menina tem hoje 47 anos, chama-se Phan Thi Kim Phuc e desde daquele 8 de Junho de 1972 coube-lhe viver um doloroso e excepcional trajecto.

Naquele dia, a pequena povoação de Trang Bang, ocupada há 48 horas pelo exército norte-vietnamita, estava sob ataque da 25.ª Divisão sul-vietnamita, que pedira apoio aéreo. A população procurara refúgio num pagode próximo. O ruído dos aviões assustou o grupo, em que estava Kim Phuc, levando-o a deixar o templo. Ao abandonarem o pagode, os civis são tomados por efectivos comunistas e atacados pela aviação.

Kim Phuc, cujo nome significa "felicidade radiosa", recorda a explosão de quatro bombas de napalm junto à estrada. Dois dos seus irmãos tiveram morte instantânea. "Vi o fogo à minha volta. O calor era infernal. Rasguei a roupa, mas tinha o corpo a arder", recordou mais tarde. A sua sobrevivência deve-se ao fotógrafo indonésio Nick Ut, da AP, que fixou o momento da pequena vietnamita em chamas (ver caixa).

Uma biografia da vietnamita, The Girl in the Picture, de Denise Chong, descreve o que se passou. Com queimaduras de terceiro grau e o queixo preso ao peito por cicatrizes da carne e músculos queimados, a jovem foi sujeita a 17 intervenções cirúrgicas em dois anos. É neste período que decide não se resignar à sorte de ser mais uma camponesa, manipulada pelos norte-vietnamitas ou hostilizada pelo seu próprio Governo. Phuc decide estudar medicina.

Apesar da cirurgia reconstrutiva, as costas de Kim Phuc representam a mais eloquente topografia da dor crónica a que está condenada a conviver até ao fim da sua vida.

A adolescente e as suas marcas de guerra foram uma espécie de exposição permanente utilizada pelo regime de Hanói até 1986, quando a autorizou, finalmente, a prosseguir os estudos em Cuba sob apertado controlo.

Demasiado tarde para prosseguir medicina, Phuc opta por farmacologia. É em Havana que conhece o seu marido, outro estudante de informática vietnamita, Bui Huy Toan. Ele e Kim Phuc depressa se convencem que o futuro tem de ser algo diferente da sucessão de viagens Havana-Moscovo-Hanói, em que não passam de meros peões dos rituais de propaganda da Guerra Fria.

Numa escala para reabastecimento num aeroporto da Terra Nova, em 1992, entre Moscovo para Havana, Phuc e o marido conseguem sair do avião e pedir asilo político no Canadá. Toda a bagagem ficou para trás para não levantarem suspeitas.

Começava uma nova etapa da sua vida. Uma etapa marcada pelo nascimento do segundo filho do casal, pela reconciliação com o antigo adversário e a acção a favor das crianças a viverem em ambientes de conflito militar. Visita Washington uma primeira vez em 1996, onde profere uma intervenção junto ao monumento aos militares americanos no Vietname.

No ano seguinte, é nomeada embaixadora de boa vontade da UNESCO e cria a Fundação Kim Phuc para apoio às crianças filhas da guerra, como ela. Para que estas tenham, pelo menos, a hipótese de iniciar o caminho para a felicidade que uma menina vietnamita de nove anos nunca desistiu de procurar.

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Romy

avatar

Mensagens : 5711
Data de inscrição : 23/08/2008

MensagemAssunto: Durão é "Homem do Ano para Europa Central e de Leste"   Qua Set 08, 2010 4:54 pm

.
Durão é "Homem do Ano para Europa Central e de Leste"

por Lusa
Hoje

[img][/img]

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, recebe hoje em Krynica, Polónia, o prémio "Homem do Ano 2009 da Europa Central e de Leste" que, pela primeira vez, é atribuído a uma personalidade fora dessa área geográfica.

O prémio, disse à Lusa fonte comunitária, é atribuído pelo Fórum Económico de Krynica a personalidades cujas acções e realizações tenham tido uma influência significativa no curso de eventos na Europa Central e de Leste.

O prémio é hoje entregue pelo presidente do Parlamento Europeu, Jerzy Buzek, que recebeu o galardão no ano passado.

José Manuel Durão Barroso participa hoje no Fórum Económico de Krynica, que termina dia 11 e tem este ano por tema "A Europa após o Tratado de Lisboa - Estratégias para o Futuro".

Entre os galardoados com o prémio contam-se o ex-Presidente checo Vaclav Havel (2007), o líder do movimento Solidariedade e ex-Presidente polaco Lech Walesa (2005) e o papa João Paulo II (2002).


In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Romy

avatar

Mensagens : 5711
Data de inscrição : 23/08/2008

MensagemAssunto: Biografia que revela de vez Francisco Sá Carneiro   Dom Out 17, 2010 4:05 pm

.
Biografia que revela de vez Francisco Sá Carneiro

por JOÃO CÉU E SILVA
Hoje



É um dos políticos que marcaram o pós-25 de Abril de forma definitiva mas que nunca foi estudado com esse carácter definitivo que se exige há três décadas.

A semanas de se perfazerem três décadas sobre a sua morte, a 4 de Dezembro de 1980, o jornalista Miguel Pinheiro publica na Esfera dos Livros 783 páginas que estabelecem a primeira grande investigação com fontes primárias e relatos dos que lhe foram muito próximos.

O tom da biografia, intitulada apenas 'Sá Carneiro', é o de alguém lá de casa. Que foi procurar as raízes ao tempo dos avós, dos pais e do 'Chico' beato e reservado, até ser o Francisco, advogado que rouba a clientela ao pai, e Sá Carneiro, político enganado por Marcelo Caetano ao aderir à Ala Liberal que preconizava alterações à ditadura do Estado Novo. A morte trágica e muito antes do tempo deu-lhe um estatuto de intocável, exemplar para o partido que fundou e irrepetível na política nacional.

Poderia ser um romance se a biografia de Francisco Manuel Lumbrales de Sá Carneiro não fosse um dos maiores trabalhos de investigação feitos em Portugal nas últimas décadas. Romance porque a vida do fundador do Partido Popular Democrático teria todos os ingredientes para ser uma saga familiar em vários volumes, descritiva de um Portugal ainda monárquico e velho em que os seus antepassados nasceram; de uma república sem rumo em que os avós viveram e de um Estado Novo que os pais testemunharam.

Sá Carneiro entra na biografia à pág. 32, após o autor ter pintado os bastidores até ao parto do bebé que "nasceu, com 4 quilos e meio, à 1h da manhã de 19 de Julho de 1934, num dos quartos do n.º 49 da Rua da Picaria", quarto filho de José Gualberto e Maria Francisca.

A partir daí, Miguel Pinheiro não larga Sá Carneiro, de modo a justificar a escrita do calhamaço que explica, finalmente, quem foi o homem que desceu à terra após a explosão de uma bomba na avioneta em que seguia para o Porto.

Este episódio final, que é definido pelo autor como atentado em vez de acidente, será o momento mais assertivo e opinativo do biógrafo em toda esta investigação. Nos restantes, Miguel Pinheiro comportar-se-á como o observador atento de um percurso formativo, social, religioso e político, que oferece aos leitores toda a intimidade possível de Sá Carneiro.

É sob essa oferta de intimidade que os portugueses podem conhecer pormenores do dia-a-dia - uns divertidos, alguns indiscretos e a maioria factuais - que refazem a sua curta vida. Pode o leitor questionar até que ponto algumas das "indiscrições" pessoais, que existem no livro, sobre alguém que teve sempre forte barreira a impedir a sua revelação, serão exactas?

A resposta é fácil de encontrar nas páginas finais do volume, em que, logo na 617, se imprime uma longa lista de nomes de pessoas que aceitaram dar depoimentos para a elaboração da biografia. Para além de se poder corroborar a influência ou não do testemunho na fixação do texto, observa-se que muitas das fontes que depuseram o fizeram pela primeira vez.

Para o autor, a explicação desta abertura foi o tempo que passou: "Tive a sorte de encontrar pessoas que acharam que, ao fim de 30 anos, era altura de falar abertamente sobre Sá Carneiro." O inesperado é que tenha convencido os familiares mais directos que, diz, "têm sido de uma discrição absoluta nas últimas décadas". Entre eles estão a mulher, Isabel; a irmã, Ana Maria; os filhos José, Teresa e Pedro; e os sobrinhos Maria, Margarida, Miguel e Ricardo.

Mas o facto de terem aceitado falar com o investigador não quer dizer que este não os tenha testado. É por isso que afirma: "Pedi que me contassem alguns episódios mais que uma vez, chegando a deixar passar meses entre as diferentes conversas, para evitar uma mera repetição mecânica".

Das várias facetas que Miguel Pinheiro revela, ou fixa em definitivo porque suportado em factos, sobre Sá Carneiro podem destacar-se algumas. A religiosidade: "Ia à missa diariamente, acompanhava os irmãos numa oração à 'Teresinha, que estava no céu', e preparava o espírito com afinco." Os prazeres: "Adorava cinema - policiais e filmes de guerra. Delirava com a música de Ray Conniff, de Rosemary Clooney, dos Blue Diamonds e dos Platters. Sabia divertir-se - mas não em excesso." A nível de comportamento: "Não era propriamente antipático - cumprimentava toda a gente com um sonoro 'viva!', sorria muito e até se mostrava cordial." Como deputado: "Devia estar atento às intervenções do pai no parlamento. Em 1969, quando foi eleito, recuperou várias das suas preocupações." Relação pai-filho: "Havia pelo menos uma grande diferença entre eles: o pai era um defensor da ditadura, e o filho não."

Sobre o modo como viveu, há palavras do próprio Sá Carneiro que dizem tudo: "Sei que o meu destino é morrer cedo e só concebo a vida se for vivida vertiginosamente." Uma biografia a ler.

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Fantômas

avatar

Mensagens : 5780
Data de inscrição : 12/09/2008

MensagemAssunto: Irena Sendler   Qua Nov 24, 2010 6:20 pm

.
Irena Sendler

Irena Sendler em 1942.
Irena Sendler

Irena Sendler (em polaco Irena Sendlerowa née Krzyżanowska; (15 de fevereiro de 1910 - 12 de Maio de 2008), também conhecida como "o anjo do Gueto de Varsóvia," foi uma activista dos direitos humanos durante a Segunda Guerra Mundial, tendo contribuido para salvar mais de 2.500 vidas ao levar alimentos, roupas e medicamentos às pessoas barricadas no gueto, com risco da própria vida.

A Mãe das crianças do Holocausto

“ A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade. - Irena Sendler ”

Quando a Alemanha Nazi invadiu o país em 1939, Irena era enfermeira no Departamento de bem estar social de Varsóvia, que organizava os espaços de refeição comunitários da cidade. Ali trabalhou incansavelmente para aliviar o sofrimento de milhares de pessoas, tanto judias como católicas. Graças a ela, esses locais não só proporcionavam comida para órfãos, anciãos e pobres como lhes entregavam roupas, medicamentos e dinheiro.

Em 1942, os nazis criaram um gueto em Varsóvia, e Irena, horrorizada pelas condições em que ali se sobrevivia, uniu-se ao Conselho para a Ajuda aos Judeus, Zegota. Ela mesma contou:

"Consegui, para mim e minha companheira Irena Schultz, identificações do gabinete sanitário, entre cujas tarefas estava a luta contra as doenças contagiosas. Mais tarde tive êxito ao conseguir passes para outras colaboradoras. Como os alemães invasores tinham medo de que ocorresse uma epidemia de tifo, permitiam que os polacos controlassem o recinto."

Quando Irena caminhava pelas ruas do gueto, levava uma braçadeira com a estrela de David, como sinal de solidariedade e para não chamar a atenção sobre si própria. Pôs-se rapidamente em contacto com famílias, a quem propôs levar os seus filhos para fora do gueto, mas não lhes podia dar garantias de êxito. Eram momentos extremamente difíceis, quando devia convencer os pais a que lhe entregassem os seus filhos e eles lhe perguntavam:

"Podes prometer-me que o meu filho viverá?". Disse Irena, "Que podia prometer, quando nem sequer sabia se conseguiriam sair do gueto?" A única certeza era a de que as crianças morreriam se permanecessem lá. Muitas mães e avós eram reticentes na entrega das crianças, algo absolutamente compreensível, mas que viria a se tornar fatal para elas. Algumas vezes, quando Irena ou as suas companheiras voltavam a visitar as famílias para tentar fazê-las mudar de opinião, verificavam que todos tinham sido levados para os campos da morte.


Irena Sendler em Varsóvia, 2005

Ao longo de um ano e meio, até à evacuação do gueto no Verão de 1942, conseguiu resgatar mais de 2.500 crianças por várias vias: começou a recolhê-las em ambulâncias como vítimas de tifo, mas logo se valia de todo o tipo de subterfúgios que servissem para os esconder: sacos, cestos de lixo, caixas de ferramentas, carregamentos de mercadorias, sacas de batatas, caixões... nas suas mãos qualquer elemento transformava-se numa via de fuga.

Irena vivia os tempos da guerra pensando nos tempos de paz e por isso não ficava satisfeita só por manter com vida as crianças. Queria que um dia pudessem recuperar os seus verdadeiros nomes, a sua identidade, as suas histórias pessoais e as suas famílias. Concebeu então um arquivo no qual registava os nomes e dados das crianças e as suas novas identidades.

Os nazis souberam dessas actividades e em 20 de Outubro de 1943, Irena Sendler foi presa pela Gestapo e levada para a infame prisão de Pawiak onde foi brutalmente torturada. Num colchão de palha encontrou uma pequena estampa de Jesus Misericordioso com a inscrição: “Jesus, em Vós confio”, e conservou-a consigo até 1979, quando a ofereceu ao Papa João Paulo II.


Árvore plantada no Yad Vashem em homenagem a Irena Sendler.

Ela, a única que sabia os nomes e moradas das famílias que albergavam crianças judias, suportou a tortura e negou-se a trair seus colaboradores ou as crianças ocultas. Quebraram-lhe os ossos dos pés e das pernas, mas não conseguiram quebrar a sua determinação. Foi condenada à morte. Enquanto esperava pela execução, um soldado alemão levou-a para um "interrogatório adicional". Ao sair, gritou-lhe em polaco "Corra!". No dia seguinte Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados. Os membros da Żegota tinham conseguido deter a execução de Irena subornando os alemães, e Irena continuou a trabalhar com uma identidade falsa.

Em 1944, durante o Levantamento de Varsóvia, colocou as suas listas em dois frascos de vidro e enterrou-os no jardim de uma vizinha para se assegurar de que chegariam às mãos indicadas se ela morresse. Ao acabar a guerra, Irena desenterrou-os e entregou as notas ao doutor Adolfo Berman, o primeiro presidente do comité de salvação dos judeus sobreviventes. Lamentavelmente, a maior parte das famílias das crianças tinha sido morta nos campos de extermínio nazis.

De início, as crianças que não tinham família adoptiva foram cuidadas em diferentes orfanatos e, pouco a pouco, foram enviadas para a Palestina.

As crianças só conheciam Irena pelo seu nome de código "Jolanta". Mas anos depois, quando a sua fotografia saiu num jornal depois de ser premiada pelas suas acções humanitárias durante a guerra, um homem chamou-a por telefone e disse-lhe: "Lembro-me da sua cara. Foi você quem me tirou do gueto." E assim começou a receber muitas chamadas e reconhecimentos públicos.

Em 1965, a organização Yad Vashem de Jerusalém outorgou-lhe o título de Justa entre as Nações e nomeou-a cidadã honorária de Israel.

Em Novembro de 2003 o presidente da República Aleksander Kwaśniewski, concedeu-lhe a mais alta distinção civil da Polónia: a Ordem da Águia Branca. Irena foi acompanhada pelos seus familiares e por Elżbieta Ficowska, uma das crianças que salvou, que recordava como "a menina da colher de prata".

Proposta para o Nobel da Paz


Funeral de Irena Sendler.

Irena Sendler foi apresentada como candidata para o prémio Nobel da Paz pelo Governo da Polónia. Esta iniciativa pertenceu ao presidente Lech Kaczyński e contou com o apoio oficial do Estado de Israel através do primeiro-ministro Ehud Olmert, e da Organização de Sobreviventes do Holocausto residentes em Israel.

As autoridades de Oświęcim (Auschwitz) expressaram o seu apoio a esta candidatura, já que consideraram que Irena Sendler era uma dos últimos heróis vivos da sua geração, e que tinha demonstrado uma força, uma convicção e um valor extraordinários frente a um mal de uma natureza extraordinária.

O prémio desse ano, no entanto, foi dado a Al Gore pela sua defesa do meio-ambiente.

O Wikimedia Commons possui multimédia sobre: Irena Sendler.

Organização Irena Sendler

Mini-biografia no site do jornal Público

Não sou heroína, diz mulher que salvou 2.500 crianças do gueto de Varsóvia, Guardian Online, 15-3-2007 (em inglês)

Dank an Irena Sendler, Documentário da TV alemã, 29-5-2007 (em alemão)

Obtida de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Irena_Sendler"

In Wikipédia


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
RMaria

avatar

Mensagens : 2761
Data de inscrição : 26/08/2010

MensagemAssunto: António Damásio recebe título de doutor 'honoris causa'   Dom Set 18, 2011 10:32 pm

.
António Damásio recebe título de doutor 'honoris causa'

por Lusa
Hoje


O neurocientista António Damásio recebe na quarta-feira o título de doutor honoris causa pela Universidade de Coimbra (UC), em reconhecimento da sua carreira científica.

"A UC afirma o contributo inexcedível de António Damásio para o avanço da investigação e da docência na área da Neuropsicologia, especialmente na análise e compreensão dos processos neuropsicológicos de funções e domínios como a memória, a linguagem, as emoções e os processos da tomada de decisão", refere uma nota de imprensa da instituição.

O título foi atribuído a António Damásio pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Caberá à docente daquela escola Ana Paula Relvas a função de apresentante na cerimónia de investidura, na quarta-feira. Eduardo Sá fará o elogio de António Damásio e Madalena Alarcão, vice-reitora e igualmente docente de psicologia, o elogio da apresentante. "Faz sentido que se verifique em Coimbra", declarou à agência Lusa Helena Freitas, vice-reitora, aludindo ao pioneirismo de Damásio e da Universidade de Coimbra, que há duas décadas criou o Centro de Neurociências, que foi o primeiro laboratório associado do país.

A responsável aludiu ainda à particularidade de ser a faculdade de psicologia a atribuir o grau de doutor honoris causa, também por o trabalho do cientista ser mais centrado nos comportamentos, emoções e processos de decisão do que no estudo dos mecanismos biológicos do cérebro. "Tem um trabalho notável, que justifica esta homenagem", salientou, destacando ainda a preocupação que o cientista teve em divulgar os seus estudos, nomeadamente através das obras que publicou. António Damásio nasceu em 1944 e iniciou a sua actividade científica na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Radicado nos Estados Unidos da América (EUA), desde 1975, é actualmente Director do Brain and Creativity Institute da Universidade Iowa e Professor Adjunto da Salk Institute, na Califórnia.

Tem centrado a sua investigação no estudo das bases neurológicas dos comportamentos sociais - que se estendem desde os juízos morais até às decisões económicas -, do desenvolvimento normal e patológico da criança e ainda dos processos de criatividade na arte, ciência e tecnologia, realça a mesma nota de imprensa. O cientista alcançou grande destaque internacional com as obras "O Erro de Descartes - Emoção, Razão e Cérebro Humano", "O Sentimento de Si" e "Ao Encontro de Espinosa", traduzidas em várias línguas. O seu trabalho tem sido distinguido com vários prémios nacionais e internacionais, nomeadamente o Prémio Pessoa, Prémio Príncipe das Astúrias, Ipsen Prize, Reenpaa Prize in Neuroscience, Arnold Pfeffer Prize e Nonino Prize.

O futuro doutor honoris causa da Universidade de Coimbra é também membro de mais de duas dezenas de Academias e Instituições Científicas americanas e europeias, nomeadamente da American Academy of Arts and Sciences, American Academy of Neurology, European Academy of Sciences and Arts, Royal Academy of Medicine of Belgium, Personality Disorder Research Foundation e Mc Arthur Foundation.

In DN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 6697
Data de inscrição : 22/08/2008

MensagemAssunto: D. Antónia Adelaide Ferreira: 200 anos do ícone do Douro   Ter Set 20, 2011 11:50 am

.
Nascida em 1811
Douro



D. Antónia Adelaide Ferreira: 200 anos do ícone do Douro

Mesmo os que não gostam de vinho, os que nunca vieram ao Douro conhecem o nome de D. Antónia Adelaide Ferreira, uma das personalidades mais fortes do séc. XIX. Nascida em 1811, cumpre-se este ano o seu segundo centenário.

A Sogrape, actual proprietária da casa Ferreirinha, nome que respeitosamente as gentes do Douro lhe deram, resolveu assinalar a data com o lançamento de um vinho especial que adiante referiremos e com uma prova de vinhos centenários para o que convidaram uns poucos de amigos e jornalistas de vários órgãos de comunicação social, entre os quais o i.

D. Adelaide Ferreira cresceu num Portugal em convulsão, com as invasões francesas, a fuga da família real, a guerra civil e as grandes pragas de filoxera que rebentaram com toda a agricultura do Douro. Casada muito jovem com um primo, ficou sem pai cedo e aos 33 anos já estava viúva, tendo de assumir a responsabilidade do legado agrícola. Numa época em que as mulheres ficavam em casa a tratar dos filhos, D. Antónia não só continuou a obra dos seus antepassados como a desenvolveu, transformando a sua casa numa das maiores de Portugal. A par de um fabuloso património, a Ferreirinha deixou aos vindouros uma garrafeira de valor incalculável com as suas mais consagradas colheitas de vinho do Porto, desde logo a de 1815 (a mais antiga existente nas caves), que tivemos o privilégio de provar, a par de muitas outras colheitas de eleição, também provadas na sexta-feira passada, como as de 1830, 1834, 1840, 1847 e 1851. Sobre elas escreveremos na próxima semana.

A Sograpre, proprietária do legado de D. Antónia desde 1987, preservou integralmente a sua memória, resolvendo comemorar este duplo centenário com um vinho muito especial, o AAF - Antónia Adelaide Ferreira Douro DOC 2008. O enólogo chefe da Sogrape Vinhos para a Região do Douro, Luís Sottomayor, o autor desta verdadeira obra de arte, recorreu às melhores uvas da vindima de 2008 de várias quintas do legado de D. Antónia (Leda, Boavista, Seixo, Caêdo e Sairrão), com uma escolha cacho a cacho para vinificar algumas barricas separadas por castas que depois estagiou em carvalho francês durante dois anos. Dos melhores cascos foram escolhidos 2 700 litros que foram engarrafados, seguindo-se um estágio em garrafa durante alguns meses. É este o vinho de homenagem. \"Tentámos enriquecer as comemorações dos 200 anos do nascimento de D. Antónia com o lançamento de um vinho tinto do Douro de qualidade superior, uma especialidade da Casa Ferreirinha que, como sempre, se diferenciasse das marcas topo de gama já existentes no nosso portefólio\", explica Salvador Guedes, presidente do Conselho de Administração da Sogrape Vinhos.

antónio Nunes, Ionline, 2011-09-19

In DTM


_________________
Os amigos? Perto! Os inimigos?Colados!!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://colmeia.forumeiros.com
Romy

avatar

Mensagens : 5711
Data de inscrição : 23/08/2008

MensagemAssunto: Valente de Oliveira: Doutor Honoris Causa pela UTAD   Seg Jun 17, 2013 10:33 pm

.
«Soube como poucos pensar Portugal»
  Vila Real





Valente de Oliveira: Doutor Honoris Causa pela UTAD

Com rigorosa solenidade, decorreu hoje (14 de junho), na Aula Magna da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), a cerimónia de atribuição do título de Doutor Honoris Causa ao professor catedrático Luís Valente de Oliveira, uma figura destacada da vida pública nacional, conhecido pelos inúmeros cargos que exerceu ao longo de mais de quadro décadas, tais como Presidente da Comissão de Coordenação da Região do Norte, Ministro da Educação e Investigação Científica, Ministro do Planeamento e Administração do Território e Ministro das Obras Públicas, Transportes e Habitação, entre muitos outros.

Na sessão intervieram o Magnífico Reitor da UTAD Prof. Carlos Sequeira, o Prof. Nuno Tavares Moreira, o Prof. Arlindo Cunha e o homenageado. O Presidente da República enviou uma menagem, lida na cerimónia, onde louva a Universidade pela justa homenagem prestada a um homem que “soube como poucos pensar Portugal”.

O elogio protocolar coube ao padrinho do doutoramento, Arlindo Cunha, reputado académico e ex-ministro da Agricultura, que testemunhou, pela sua experiência pessoal, os traços fundamentais do perfil de Valente de Oliveira e a sua luta persistente pelo desenvolvimento regional.

“Terá sempre um lugar na história”, lembrou também, quanto mais não seja por ter sido o primeiro responsável por uma política consistente de ordenamento do território em Portugal, que resultou nos chamados Planos Diretores Municipais ainda hoje fundamentais para os municípios.

No final, Valente de Oliveira agradeceu o título que a UTAD lhe atribuiu, ao mesmo tempo que recordou, com afeto pessoal, a sua ligação profissional a Trás-os-Montes, iniciada em 1972, aquando da elaboração do IV Plano de Fomento, onde se desenharam as linhas mestras do que se esperava vir a ser o futuro da região.

Lembrou também o Programa de Desenvolvimento Rural Integrado de Trás-os-Montes (PDRITM), com os apoios do Banco Mundial, que permitiu à UTAD desenvolver e consolidar muitos dos seus projectos de investigação. Aproveitou ainda para enaltecer o trabalho de uma geração de autarcas da região com quem trabalhou, muitos dos quais estavam presentes na cerimónia.

, 2013-06-15
In DTM

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Ilustres   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Ilustres
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Colmeia :: Cultura :: Diversos-
Ir para: